Paginas

sexta-feira, 25 de maio de 2012

História Baseada em Fatos Reais


Pedro, era um menino de 15 anos que tinha como hobbie a internet.
Ele ficava diariamente, quase 24 horas na rede, em twitter, orkut, msn tentando ser popular e ganhar reconhecimento virtual. Tornou-se um vício, claro.
E logo ele foi perdendo alguns valores importantes...
Abria mão de seus amigos reais pra ficar navegando na internet, atrás de pessoas que nem sequer conhecia.
Pedro tinha um irmão de 9 anos, o Hugo. Hugo era muito apegado a ele, simplesmente era apaixonado pelo irmão e fazia de tudo pra ter atenção...
Só que Pedro banalizava a que sentimento, tudo que o irmão fazia, ele achava comum, como o simples balançar dos galhos de uma árvore, ou a buzina de um carro, num dia de engarrafamento...
Até que um dia, Pedro viu sua vida desmoronar. Seu irmão ficara inferno em um hospital, com diversos problemas de saúde, e não tinha seu irmão presente. Sempre queixava-se à sua mãe: "Mãe, será que o Pedro não gosta de mim? Ele nem vem me visitar, só fica no computador!".
Demorou, mas com a gravidade e o passar do tempo, a ficha de Pedro caiu. Viu que aquilo que ele construiu virtualmente não era a vida dele...
Ele estava deixando de lado valores importantes, como a assistência à sua família, o amor e o afeto do seu irmãozinho, então logo veio a culpa, o arrependimento, e a sensação de inferioridade.
Hoje? Pedro luta pra se desfazer de toda essas coisas fúteis, tais quais perdeu tempo, e tenta recuperar o amor do seu irmão, que precisa dele mais do que nunca...E claro, sofre de depressão.
Sua vida nunca mais será a mesma, sabendo que seu irmão caçula está perdendo grande parte da sua infância...
Ao contrário de qualquer outra criança sadia, que pula e corre. Hugo está condenado a viver numa cama de hospital, onde permanece até em feriados e datas comemorativas, exceto o Natal, que sua família dá um jeito de viajar. Mas é uma família cheia de privações, para dar o máximo de suporte ao pequeno...
E você? Qual episódio terá de viver, para aprender que tudo isso é momentâneo e fútil? Enquanto estamos vivenciando, é ótimo e viciante. Não queremos nunca sair dali, queremos conhecer pessoas, desbravar novos mundos e ser reconhecido a todo custo.
E quantas dessas pessoas reconhece o seu valor? Quantas delas vai estar presente no momento em que você desmoronar, pra te oferecer assistência? A verdade é que a maioria, a grande maioria só está disponível para você, enquanto estiveres no topo... E vai ser nessa hora que o arrependimento irá bater na sua porta, e irá perceber quais são seus verdadeiros amigos, e também irá descobrir o poder da influência que sua família exerce sobre você.
Vamos valorizar nossos irmãos, nossa família. Temos que dar prioridade a valorização familiar.

Fev 5, 2010 por Michaeldsr
Colaboração: Carlos E. Della Justina

2 comentários:

Anônimo disse...

vou sair do computador agora nun quero ficar deprecivo

Anônimo disse...

Verrd